Tomada de Posse Confraria do Bucho

Download PDF

Os órgãos sociais da Confraria Gastronómica do Bucho de Arganil foram empossados recentemente, numa cerimónia que teve lugar no auditório da Biblioteca Municipal Miguel Torga em Arganil. Reconduzida no cargo para o triénio 2015/2017, Fernanda Maria Dias, tem como mordomos Luís Quaresma e Alberto Cordeiro. Como presidentes da Assembleia Geral e do Conselho Fiscal foram eleitos respectivamente, João Travassos e Miguel Ventura.

A  Mordomo- mor começou por agradecer a presença de todos e sobretudo a “vossa confiança na exortação e no imperativo que me colocaram para aceitar este desafio, confessando que “aqui estou eu para trabalhar com a vossa preciosa e inestimável ajuda”.Preciso de todos para dar luz aos desígnios da Confraria do Bucho de Arganil, que nos cumpre honrar”, afirmou ainda. Fernanda Dias referiu também que “o trabalho realizado até aqui não nos envergonha, muito pelo contrário, nele sentimos orgulho”, considerando que “todos juntos, temos a responsabilidade de estar à altura de o dignificar e isso reveste-se de crucial e extrema importância”. Consciente de que “vamos iniciar uma nova etapa, uma nova era, diferente, indubitavelmente, da anterior”, a presidente da direcçao da Confraria Gastronómica do Bucho confessou ter “plena consciência que estamos sob holofotes, que qualquer percalço que possa acontecer será elevado ao expoente máximo”. Todavia, assegurou, “tenho também consciência que estamos todos aqui, por bem, para dignificar a Confraria do Bucho e o concelho de Arganil”, focando em seguida algumas das actividades a desenvolver no presente mandato. “É nossa intenção, entre outros objectivos, reconciliar a diáspora, promover uma maior integração e envolvimento da Confraria no local, na comunidade, com uma tónica e enfoque especial, no património local, no turismo, nos produtos endógenos, de onde naturalmente sobressai a gastronomia como elemento agregador”, adiantou desde logo a dirigente. Alem disso sublinhou, “tencionamos também envolver as instituições locais e promover parcerias”, lançando desde logo um repto “para as nossa aldeias, para as suas Comissões de Melhoramentos, para as Juntas de Freguesia, para as instituições da economias social, para a autarquia”, para que, “pensem na Confraria como uma instituição que quer caminhar ao  vosso lado, partilhando dos vossos projectos e desígnios”. “Desafiem-nos para um labor em conjunto, para projectos integrados”, exortou ainda. Isto porque, sustentou,  “só com o contributo de todos e em unidade, poderemos progredir, inovar e elevar o nome de Arganil”.