Nome de Girão Vitorino integra toponímia da vila de Góis

Download PDF

IMG_8112O nome de José Girão Vitorino, antigo presidente da Câmara Municipal de Góis, falecido em 2010, fica perpetuado na Circular Externa Carvalhal dos Pombos, cuja obra foi iniciada no seu mandato e terminada no mandato de Lurdes Castanheira. Nesse sentido, familiares e amigos do autarca descerraram ontem, uma placa intitulada “Avenida José Girão Vitorino”, junto à rotunda de Oroso. Em representação dos seus familiares, Renato Vitorino agradeceu essencialmente ao executivo camarário pelo “voto de unanimidade”, bem como “ao povo de Góis”, uma vez que “ele não sendo de Góis, adoptou este concelho como dele e as pessoas de Góis adoptaram-no como um verdadeiro goiense”. Revelando que Girão Vitorino “quando já estava nos Cuidados Continuados, disse que queria vir a Góis e ao Cerejal”, o filho do homenageado constatou, na ocasião, “o quanto ele gostava deste concelho”, deixando -lhe um último agradecimento “onde quer que esteja”. Já Lurdes Castanheira, explicando que com a integração do nome do autarca na toponímia da vila, “queremos perpetuar a sua memória, dedicação, entrega, determinação e a obra que construiu no concelho de Góis enquanto autarca”, reconheceu as “muitas qualidades” do antigo presidente da Câmara, enquanto “homem, pai, esposo e avô”. Recordando que Girão Vitorino já tinha sido distinguido com “o maior galardão do concelho”, a presidente da Câmara Municipal de Góis sublinhou que, doravante, “fica na história uma das obras que iniciou e que tinha muita vontade que se tornasse realidade na vila de Góis, porque vinha resolver um problema e permite desviar o trânsito”. “É uma nova acessibilidade que engrandece e enriquece a vila”, secundou, enfatizando que “esta distinção só foi possível com a deliberação do executivo, por unanimidade”. Por seu lado, o secretário de Estado do Ambiente, sublinhando “o quanto é importante que os municípios e os cidadãos reconheçam o mérito daqueles que dedicaram a vida ao desenvolvimento”, revelou que “tive oportunidade de ter três relações com ele”, enquanto técnico da EDP, como autarca e pai. “Desde logo vi a sua grande dedicação e o seu grande perfil profissional”, frisou Carlos Martins, convicto de que se tratou de “um belíssimo profissional, um autarca muito dedicado e um pai muito preocupado”, pelo que, sustentou, “este é um acto de plena justiça”.