José Tiago Almeida é o candidato da CDU á Câmara Municipal de Arganil

Download PDF

Actualmente com um elemento na Assembleia Municipal de Arganil e mandatos em cinco Assembleias de Freguesia, eleitos em 2013, o objectivo da CDU, para as autárquicas de Outubro em Arganil, passa por concorrer a todas as freguesias e “reforçar a sua votação”, isto é, “aumentar não só o número de eleitos ao nível municipal quer na Câmara Municipal, quer na Assembleia e tentar alargar a outras freguesias onde já há eleitos”. O anúncio foi feito por Vladimir Vale, elemento da Comissão Politica do Comité Central, que apresentou sábado em conferência de imprensa, os candidatos á Câmara Municipal e á Assembleia Municipal de Arganil, respectivamente, José Tiago Almeida e António João Lopes, (actual eleito na Assembleia Municipal pela CDU). “O que é fundamental é que as pessoas percebam o trabalham que a CDU tem desenvolvido e da importância que a sua participação pode ter”, sublinhou o dirigente e responsável pelo trabalho desenvolvido pela CDU no distrito de Coimbra, acrescentando que “a intervenção dos eleitos ao nível das freguesias foi importantíssima, daí que alguns problemas foram resolvidos pela insistência que os nossos eleitos tiveram”. Vladimir Vale confessou que a CDU tem por objectivo, “concorrer a todas as Assembleias de Freguesia do concelho”, declarando que, “todos os eleitos da CDU seguem o princípio de não serem beneficiados por exercerem esse mandato mas também não serem prejudicados, ou seja, não recebem vantagem nenhuma por exercerem esse cargo e isso é muito importante para nós”. “Temos provas dadas em Arganil, mesmo quando não tínhamos eleitos, gostamos de intervir em Arganil, chamar a atenção para os problemas”, referiu ainda, apontando como exemplos os serviços públicos, a perda das freguesias e a questão da rede viária. Já segundo José Tiago Almeida, que interveio após António João Lopes, a CDU “vê com enorme preocupação a actual situação económica e social do concelho, destacando a “perda e envelhecimento da população”, a “diminuição da natalidade”, a “migração temporária e definitiva” ou a “perda de identidade colectiva”. Nesse sentido, o candidato á Câmara Municipal de Arganil pela CDU, atribui “grande importância á definição de uma estratégia para as acessibilidades internas e externas, á valorização do trabalho, do sector empresarial e comercial, da floresta e actividades complementares, dos recursos naturais, do património público e privado”, que no seu entender, “constituem atributos fundamentais á coesão social e económica do território concelho”. Para o antigo técnico superior do município de Arganil, o concelho, “não pode ficar dependente de dinâmicas criadas de 4 em 4 anos, têm de ser 365 dias em cada ano”, considerando que, “ao continuarmos assim o concelho perde importância regional e está-se a contribuir para o seu encerramento a médio, como aconteceu com as freguesias, porque não entendem as dinâmicas económicas e sociais em curso de carácter local e regional, nomeadamente os fluxos migratórios”.DSC_9583