Feira dos Carolos e outros sabores em Folques

Download PDF

Bucho de Folques DRA Assistência Folquense vai levar a efeito este sábado (27 de agosto), mais uma edição da Feira dos Carolos e outros sabores, que vai realizar-se no Terreiro de Folques, em Folques (freguesia do concelho de Arganil). Assim sendo, a partir das 12h00, quem quiser pode comparecer para almoçar ou comprar diversas iguarias regionais, como é o caso do bucho de Folques, mas também, como o próprio nome da feira indica, os carolos com sardinha frita ou entremeada grelhada, os nabos de molho e o bolo de cebola, bem como as sobremesas tradicionais, como os folares, a tigelada, o arroz doce e bolos diversos. A animar o almoço vão estar alguns acordeonistas, decorrendo, durante a tarde, uma atuação do Grupo Folclórico da Região de Arganil. Assegurando que, no último sábado do mês de agosto, “os amigos que estão em Lisboa estão sempre à espera desta feira”, Margarida Gomes contou que este certame tem vindo a ter, ano após ano, cada vez mais participantes, servindo mais de uma centena de refeições nesse dia. Adiantando que esta iniciativa, para além de proporcionar o convívio entre os utentes, familiares e amigos da instituição, visa também angariar algumas verbas, a presidente de direção da Assistência Folquense adiantou que estão também a ser feitas obras no antigo edifício da instituição, que “estão quase terminadas” e “onde já gastámos cerca de 200 mil euros”, revelou. Para além disso, com o intuito de criar uma cozinha, junto ao antigo edifício onde funcionava a Assistência Folquense antes das novas instalações, onde possa vir a confecionar e a vender o bucho de Folques, a direção desta instituição vai efetuar uma candidatura ao Portugal 2020, para conseguir alguns apoios financeiros. “Estamos a fazer uma candidatura que será entregue até ao final de setembro”, de forma a criar “uma pequena fábrica do bucho”, anunciou a dirigente, sublinhando que o que se pretende é que esta iguaria “não acabe” e ensinar “os mais novos” a fazê-lo, para além de ter um local de fabrico “com outras condições”, uma vez que “às vezes as pessoas vêm cá pedir e não temos”, lamentou.