Conferência empreendedora no AEA

Download PDF

foto-confDecorreu na Biblioteca Municipal de Arganil a Conferência Empreendedora, no âmbito da VI Edição da Semana de Empreendedorismo. Esta conferência teve como oradores os empreendedores Hugo Silva e Pedro Silva-Santos, que falaram sobre a sua experiência, a sua vida, a sua formação, o seu percurso profissional e, principalmente, sobre todas aquelas ideias extras que lhes proporcionam rendimentos.A primeira parte desta conferência começou com a apresentação do empreendedor Pedro Silva-Santos, consultor na área ambiental, músico e experimentalista por natureza. O empreendedor começou por referir que “é possível criar a nossa empresa na nossa própria sala” e que o seu grande truque eram os hábitos de leitura e, consequentemente, os livros em que se inspirava. Continuou o seu discurso dizendo-nos que através de ideias “ridículas” alcançava resultados positivos e daí transformou-as num negócio e mencionou “ é possível criar ideias ridículas e transformar em negócios. Devemos criar uma oportunidade e agarrá-la!”. Também fez questão de abordar que devemos arriscar e que devemos agarrar todas as oportunidades. Entretanto, repetiu diversas vezes ao longo da conferência, uma mensagem que considera fulcral: “Querem muito, vão buscar!”. As palavras mais relevantes que o definiam enquanto profissional até hoje foram disciplina, foco, loucura. Disciplina porque devemos ser determinados, levando a focarmo-nos nas coisas e no meio deste conjunto, a loucura. A loucura remete para não ter receio de arriscar, de ser inovador e verdadeiro. De seguida, Hugo Silva responsável pela  ASin- startupincubation network, em Coimbra, fez a sua apresentação, dizendo que as actividades que concebeu e o seu percurso académico contribuíram para a sua formação como individuo. Ao longo do seu discurso, sublinhou que, para as pessoas se destacarem devem ser perseverantes e trabalhadoras, referindo que “temos de ter a noção que devemos ter vários factores em consideração e se não o fizermos, a máquina acaba por falhar” e que a melhor solução é “procurar alguém que nos ajude no processo, nos acompanhe na progressão e nos abra novas portas”. Continuou o seu discurso com o intuito de incentivar a comunidade escolar, dizendo que “qualquer território pode valorizar a vossa intervenção. Os mercados não estão restritos apenas a uma região. Os projectos só precisam da vossa iniciativa.”Acabou a sua apresentação revelando que as três palavras que definiam o seu percurso até aos dias de hoje são a loucura, as competências e acreditar que é possível. A loucura porque, por vezes, o empreendedor sabe que está a falhar, mas continua a ver o caminho. As competências pois pode até nem ter muitas, mas faz questão de procurar nos outros e acreditar que é possível, porque a esperança e a autoconfiança são factores importantes para a formação de um bom empreendedor mas, principalmente, de um bom ser humano.