Concelho de Arganil já tem Clube de Produtores

Download PDF

logo-clds-360xConsiderando que a Santa Casa da Misericórdia de Vila Cova de Alva, entidade executora do CLDS 3G Arganil mais Inclusiva, é uma IPSS que, “pretende apoiar e contribuir para o desenvolvimento económico do concelho de Arganil e da região em que este se integra de uma forma inovadora e socialmente responsável”, e, que, “esta instituição se assume como parceira do município de Arganil, nas acções do eixo I, nomeadamente no âmbito da criação e promoção de circuitos de produção, divulgação e comercialização de produtos locais de modo a potenciar o território e a sua empregabilidade”, e considerando que o município de Arganil “pretende a criação de uma marca sinónima de qualidade, que diferencie os seus produtos endógenos e que representa aquilo que de melhor Arganil oferece, dinamizando o território e economia local”, foi criado um projecto-piloto de um Clube de Produtores do Concelho de Arganil. Este Clube, constituído por 11 entidades, (Queijaria Quinta do Raro, Valle d´ Árga e Santa Casa da Misericórdia de Vila Cova de Alva, da União de Freguesias de Vila Cova de da Alva e Anseriz, Boutique da Tuxa e Licores Donanna, União de Freguesias de Coja e Barril de Alva, Vumba, São Martinho da Cortiça, Sabores de Arganil, Sarzedo, Abrantes e Cordeiro, Pombeiro da Beira, José Nuno Coimbra Lda., produtor de azeite, Secarias, Rui Carvalho, produtor de mel, Pomares e Argoargos de Arganil), foi formado a partir do momento em cada produtor assinou um protocolo com a Santa Casa da Misericórdia de Vila Cova de Alva e o município de Arganil, entidade parceira no âmbito do plano de acção do CLDS, o que aconteceu recentemente, no salão nobre da Câmara Municipal de Arganil, onde marcaram presença, Daniel Rodrigues, presidente da direcção do Centro Social e Paroquial de Coja, entidade coordenadora do CLDS 3 G e Luís Paulo Costa, presidente do município de Arganil. O referido protocolo, apresentado por Elisabete Oliveira, terá a duração de um ano, prazo de implementação deste projecto-piloto do Clube de Produtores, após o qual “se procederá á avaliação entre as partes outorgantes da melhor forma de funcionamento a adoptar”. No acordo assinado, a Misericórdia de Vila Cova de Alva, compromete-se, explicou a coordenadora do CLDS, “a promover uma estratégia concertada que potencie um trabalho em rede no âmbito deste Clube”, “ elaborar um plano de acção concertado com as iniciativas no âmbito de apoio á divulgação, comercialização e escoamento de determinados produtos”, “á criação e implementação de uma marca e de uma imagem associada aos produtos locais” e “promover os produtos endógenos e artesanais de forma concertada com o município de Arganil”. Por seu lado, o município de Arganil compromete-se a “promover a participação do Clube de Produtores em Feiras Nacionais e Internacionais” e a “promover os produtos endógenos e artesanais de forma concertada com o CLDS 3G Arganil mais Inclusiva”. O principal objectivo deste Clube de Produtores passa por, deu a conhecer Elisabete Oliveira, “promover a marca Arganil permitindo a criação de uma identidade visual, que poderá ser utilizada nos produtos endógenos comercializados por todas as entidades que efectuem a adesão a este Clube, mediante os requisitos expressos no respectivo regulamento de adesão”.

Isabel Duarte