Centro de Recolha Oficial de Animais de Companhia poderá ser uma realidade em Coja

Download PDF

O concelho de Arganil poderá vir a ter um Centro de Recolha Oficial de Animais de Companhia a construir num terreno situado no alto da Boa Vista, em Coja, na União de Freguesias de Coja e Barril de Alva. A proposta  foi aprovada em reunião de Câmara, por unanimidade, bem como a candidatura que a CIM-RC enviou para a Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Centro. Assim sendo, a construção da referida infra-estrutura estará apenas dependente da aprovação da candidatura, que disponibilizará um montante de 10 ME a nível nacional. O tema foi levado á reunião camarária, pelo presidente da edilidade, que começou desde logo por recordar tratar-se de uma temática que o vereador socialista Rui Silva, tem trazido para estas reuniões. “Relativamente ao nosso Centro de Recolha Animal, temos vindo a fazer um esforço para o melhorar, assumimos que não é um equipamento perfeito, mas tem características bastante razoáveis e apesar de não ser perfeito podemos afirmar que esta é uma das áreas em que nos distinguimos positivamente daquilo que é a realidade dos municípios dentro da área CIM –RC”, assegurou Luís Paulo Costa. Confessando que de facto nesta “fase de candidaturas a dotação não é muito significativa, 10 milhões de euros a nível nacional”, o autarca adiantou que “é dada prioridade a equipamentos que tenham uma abrangência supra municipal”, acrescentando que “estamos a falar de equipamentos de uma nova geração, está a olhar-se para esta matéria já quase numa perspectiva de hotéis caninos e para gatos, bastante diferenciada face àquilo que é a generalidade actual de muitos municípios”. Esta infra-estrutura terá “uma zona de serviços técnicos, incluindo uma área hospitalar, com sala de enfermaria, cirurgia, recobro, sala de tratadores, balneários e vestiários”, frisou ainda Luís Paulo Costa, ou seja, sublinhou, “uma realidade diferente, mais parecida com um hospital ou hotel, do que com os Centros de Recolha Animal que estamos habituados a ver”, que também irá servir os concelhos de Góis, Tábua, Oliveira do Hospital e muito provavelmente Pampilhosa da Serra, com capacidade, no caso dos cães, para 230. “Bastante satisfeito”, com esta notícia ficou o vereador Rui Silva, considerando tratar-se de um “projecto formidável que enobrece o nosso concelho e que vai ter repercussões bastante positivas”. O vereador socialista e defensor acérrimo dos direitos dos animais, quis apenas saber que entidade é que fará a gestão do equipamento e se o município de Arganil também acompanhará essa gestão, assim como, “qual vai ser o nosso enquadramento em termos do nosso centro de Recolha Animal, se vamos beneficiar e de que forma”. A propósito, Luís Paulo Costa deu a conhecer que a CIM-RC, “reuniu com os veterinários aqui da área de abrangência e cada um teve que se pronunciar e assumir aquilo que entende como necessário para o seu concelho”, isto é, acrescentou o autarca, “a empreitada será assumida pela CIM mas naquilo que tem a ver com os fundos da candidatura, o que faltar, os municípios beneficiados de acordo com responsabilidade de cada um, terão que colocar a sua quota-parte”. Quanto ao modelo de gestão, este será “assumido pela CIM-RC ou pela ADESA e a repartição dos custos mensais irá resultar da percentagem de utilização de cada município”. Na reunião, foi ainda aprovado por unanimidade, a atribuição de 23 mil euros, á Associação Filarmónica Progresso Pátria Nova de Coja, para a aquisição dos instrumentos que perderam, na sequência da explosão ocorrida em Gondelim, Penacova, em Abril. A Banda, que no total necessita de perto de 55 mil euros para essa aquisição, segundo o presidente da autarquia, o montante de 23 mil euros “será suficiente” uma vez que, “a população, sócios e amigos tem sido muito generosa nas campanhas de recolha de donativos que se têm vindo a efectuar”.