Agrupamento de Escolas de Arganil promoveu as jornadas “Qualifica-Orientar para o Futuro”

Download PDF

O DSC_0941Agrupamento de Escolas de Arganil promoveu na Biblioteca Municipal Miguel Torga, as jornadas “Qualifica – Orientar para o Futuro”. Um dos propósitos da iniciativa passou por apresentar os Centro Qualifica, organismo especializado em qualificações para adultos, integrado no programa qualifica, tendo tido numa mesa redonda, moderada pela docente Graça Lopes, um naipe de convidados que “partilharam saberes e boas práticas”, bem como, o testemunho de adultos que já frequentaram ou ainda frequentam o Centro Qualifica do Agrupamento de Escolas de Arganil. Refira-se que o Centro Qualifica é direccionado para adultos com idade igual ou superior a 18 anos, que procuram adquirir ou melhorar uma qualificação escolar ou profissional e para jovens que não se encontrem frequentar modalidades de educação ou de formação e que não estejam inseridos no mercado de trabalho. Ainda no período da manha, foi desenvolvido o painel, “Uma educação para a responsabilidade”, por Fernanda Bernardo, professora na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, com moderação de Olinda Brito, enquanto que no período da tarde o painel dinamizado teve por titulo, “Aprendizagem ao longo da vida”, por Luís Alcoforado, professor da Faculdade de Psicologia e das Ciências da Educação da Universidade de Coimbra, moderado por Susana Figueiredo. Na sessão de abertura e perante uma sala cheia, com adultos mas também por alunos da Secundária, Anabela Soares congratulou-se pelo Agrupamento “reabrir uma oferta que já tínhamos enquanto Escola Secundária, de um histórico, que a escola tinha”, sublinhando tratar-se de uma iniciativa que, “nos dá muito alento”, pois, secundou, “a formação ao longo da vida é muito importante”. A directora do Agrupamento de Escolas de Arganil frisou ainda que apresentou uma candidatura ao Centro Qualifica, porque, “percebemos que no país e na zona centro em particular, temos baixas qualificações, o que nos leva a pensar que temos que colaborar no sentido de aumentar essas qualificações”. Com efeito, acrescentou a dirigente, “segundo o Instituto Nacional de Estatística e os Censos de 2011, nós tínhamos cerca de 14% de pessoas com o ensino superior, hoje em dia e comparando com outros países europeus, estamos muito abaixo das qualificações e isso depois traz-nos baixos ordenados, fraca produtividade e outros factores que nos influenciam diariamente”.